sábado, 25 de agosto de 2012

História e Geografia: identidades e singularidades


História e Geografia: identidades e singularidades
         Na abertura do documento de História e de Geografia dos Parâmetros Curriculares Nacionais encontra-se um breve apanhado sobre a trajetória do trabalho com os chamados Estudos Sociais. Na página 26, encontramos a seguinte informação:
A consolidação dos Estudos Sociais em substituição à História e à Geografia ocorreu a partir da Lei n. 5.692/71, durante o governo militar. Os Estudos Sociais constituíram-se, ao lado da Educação Moral e Cívica, em fundamentos dos estudos históricos, mesclados por temas de Geografia centrados nos círculos concêntricos. Com a substituição por Estudos Sociais, os conteúdos de História e Geografia foram esvaziados ou diluídos, ganhando contornos ideológicos de um ufanismo nacionalista destinado a justificar o projeto nacional organizado pelo governo militar implantado no país a partir de 1964.
         As transformações nos currículos e nos métodos de ensino advindas da oficialização dos Estudos Sociais acabaram gerando certos mitos que permanecem até os dias de hoje, limitando as propostas de trabalho com as áreas de História e Geografia.
         Um destes mitos tem como pressuposto a relação entre o trabalho, o estudo das sociedades e as etapas do desenvolvimento psicológico da criança. Acredita-se, assim, que os alunos do primeiro e do segundo ciclos do Ensino Fundamental não têm, a princípio, condições de compreender e de relacionar temas que abranjam escalas de tempo e espaço para além do tempo presente e do espaço vivido. A comunidade e o bairro são a base para os estudos iniciais. Assuntos relacionados à história do mundo ou à geografia de lugares distantes não devem, portanto, ser abordados justamente porque são considerados distantes e abstratos pelas crianças.
         O que é preciso considerar, a partir da própria proposta dos PCN, é que, mesmo antes do ingresso na escola, a criança observa, pergunta e procura explicar os fenômenos sociais e naturais que observa em seu dia-a-dia. Na escola é importante que o aluno possa ampliar, rever, reformular e sistematizar as noções que construiu (e constrói) de forma espontânea, através da aprendizagem de conteúdos de Geografia e de História.
         É claro que este processo de ampliação, reformulação e sistematização não se consolida nesse segmento da escolaridade. Afinal, ele representa uma construção gradativa, que ocorre na medida em que os alunos aprendem a observar, descrever, comparar, explicar, representar e espacializar acontecimentos sociais e naturais de forma cada vez mais genérica, considerando dimensões de tempo cada vez mais amplas, para além do tempo presente.
         As propostas voltadas para o ensino específico de Geografia e História desde às séries iniciais introduziram seus conteúdos e métodos particulares e também uma nova forma de compreender o pensamento da criança com relação aos fenômenos sociais. A dissolução dos Estudos Sociais e a retomada destas áreas é resultado das lutas de professores, educadores e especialistas, como o próprio texto dos PCN de História nos apresenta (ver páginas 26 e 27). Por outro lado, os avanços da psicologia cognitiva nos indicam que aquilo que é intelectual e afetivamente interessante às crianças não necessariamente tem relação direta às escalas de tempo e de espaço de seu cotidiano. Pelo contrário. Muitas vezes as crianças, mesmo sem condições de compreender o assunto do ponto de vista de sua temporalidade e espacialidade, interessam-se por temas como os animais da pré-história, a vida no tempo dos castelos, a paisagem das florestas tropicais ou dos desertos etc. Do ponto de vista didático, a introdução destas áreas nos primeiros ciclos envolve a compreensão de um modo de pensar e de explicar o mundo pautado em noções, conceitos, procedimentos e princípios através dos quais as crianças constroem os seus próprios saberes.
         Estudar História é compreender como o conhecimento histórico é constituído e saber relacionar esse conhecimento com a época e os autores que o construíram. É também saber utilizar os conceitos e as explicações com as quais esse saber opera para compreender o presente, ou melhor, entender o presente a partir de dimensões de tempo mais amplas. A concepção de que o ensino de História deve trabalhar apenas acontecimentos políticos ou econômicos ocorridos num passado distante deve, portanto, ser superada.
         A aprendizagem do conhecimento histórico pode e deve ocorrer desde os primeiros ciclos. Na escola, o professor pode ensinar os alunos, além de fatos e conceitos, diferentes conteúdos que permitam ao aluno construir essas compreensões. Como?
§  através de situações que promovam a comparação entre diferentes versões de um mesmo acontecimento;
§  por meio da consulta a uma variedade de fontes (de forma que o aluno compreenda, inclusive, o que é uma fonte de informação para a elaboração do conhecimento histórico);
§  desenvolvendo a percepção da presença de outros tempos no tempo presente;
§  por meio do conhecimento de fatos não apenas econômicos ou políticos, mas também sociais e culturais e pelo conhecimento dos diferentes agentes da História, não apenas os heróis ou governantes;
§  desenvolvendo a compreensão de que o tempo histórico não é linear e tampouco homogêneo, mas sim um tempo múltiplo, que indica mudanças, mas também permanências.
         Assim, os temas eleitos para o estudo da História podem envolver assuntos relacionados ao cotidiano, à trajetória de famílias, à memória dos mais velhos, à arte, ao folclore e às tradições culturais brasileiras, aos diferentes povos que formam o povo brasileiro, além de problemáticas da atualidade.
         Estudar Geografia, por sua vez, é estudar a paisagem, buscando compreender as relações entre os processos históricos que formaram as sociedades humanas, procurando entender o funcionamento da natureza e como as sociedades se relacionaram com a natureza através dos tempos sociais. Para entender a paisagem, é preciso aprender a lê-la, percebendo-a como o resultado de múltiplos espaços e tempos geográficos.
         Para tanto, é preciso observar, buscar explicações para aquilo que, numa determinada paisagem, permaneceu ou foi transformado, isto é, os elementos do passado e do presente que nela convivem. A percepção espacial daqueles que moram nos diferentes lugares é marcada por laços afetivos e referências socioculturais. Nesta perspectiva, ao ler a paisagem estamos identificando como os homens em sua trajetória histórica construíram as diferentes paisagens.
         A leitura da paisagem pode ser feita desde diferentes recortes temáticos: temas mais relacionados aos aspectos biofísicos das paisagens (mencionadas as relações de interação que mantêm com os aspectos socioculturais, econômicos e políticos); temas mais relacionados aos aspectos socioculturais das paisagens (a percepção e relação que diferentes grupos e povos possuem na construção de seu espaço); ou, ainda, econômicos ou políticos (como são as temáticas relacionadas com a interação e a comunicação existente entre diferentes localidades).
         Aqui, é importante ressaltar que a interface existente entre o ensino da História e da Geografia pode e deve ser considerada. Neste sentido, é fundamental que o professor ofereça aos alunos um conjunto de situações de aprendizagem que suscitem problemas, sempre considerando diferentes escalas de tempo e espaço. Esta dimensão da problematização favorece o trabalho com temas que podem ser abordados tanto do ponto de vista da História como da Geografia. Afinal, o mais interessante é que os alunos aprendam a relacionar aquilo que acontece em seu dia-a-dia e que percebam o modo de ser e viver do seu grupo social, comparando com acontecimentos ocorridos em outros lugares e em outros tempos, que caracterizam (ou caracterizaram) o modo de ser e viver de outros grupos sociais.
A sociedade e a integração com as outras áreas
         Promover a ampliação do conhecimento dos alunos a respeito de temas de inquestionável valor para a sociedade atual é um dos objetivos do ensino da História e da Geografia. Por isto, sempre que possível, os conteúdos trabalhados nas aulas de História e de Geografia devem enfocar explícita ou implicitamente temas relacionados à ética, à saúde, ao meio ambiente, ao trabalho e consumo, à diversidade cultural e natural que caracteriza nosso país e o mundo como um todo. Isto representa um trabalho com os chamados temas transversais, tal como os Parâmetros Curriculares Nacionais propõem.
         A fim de promover discussões e de favorecer o desenvolvimento de uma atitude mais propositiva frente aos temas abordados, é interessante envolver os alunos em atividades nas quais são convidados a informar, comunicar e até mesmo convencer os colegas, os funcionários da escola, os familiares e a comunidade mais ampla da qual fazem parte sobre assuntos ou problemas relativos à conservação do ambiente, à relação entre qualidade de vida e saúde, à valorização da diversidade cultural e natural, ao ingresso no mundo do trabalho e às desigualdades sócio-econômicas.
         É importante desenvolver projetos que envolvam temas que possibilitam mudanças nas atitudes e nos valores dos próprios alunos. Os cuidados com a saúde e o bem-estar físico e emocional, a preservação e conservação do ambiente escolar, os problemas ambientais que a comunidade sofre, os distintos modos de ser e viver do povo brasileiro são alguns temas sugeridos. A finalização desses projetos envolve a organização de campanhas cujo público alvo é a própria comunidade escolar, ou seja, os colegas, os funcionários da escola, os pais e familiares.
O professor como modelo
         No trabalho com a História e a Geografia, os alunos são colocados em situações nas quais têm de aprender a estudar. É necessário que aprendam a ler, ouvir, perguntar, consultar, registrar e organizar as informações obtidas através de textos, imagens ou até mesmo da exposição do professor. É também necessário aprender a reapresentar os conhecimentos adquiridos através da escrita, da exposição oral, ou ainda de desenhos. Além disso, aquele que estuda observa, experimenta, compara, descreve, troca idéias, sintetiza.
         Para proceder dessa maneira, os alunos necessitam da ajuda do professor para ler, escrever, discutir, pesquisar e organizar as informações que obtêm. O professor tem, então, um papel fundamental, pois cabe a ele promover a aprendizagem desses procedimentos, através de situações nas quais os alunos tenham a oportunidade de efetivamente atuarem como estudantes.
          disso, o professor serve também como modelo de estudante para as crianças. As perguntas que ele faz sobre as diferenças entre os modos de viver de grupos sociais distintos, por exemplo, servem como referência para os alunos em relação a quais tipos de perguntas são pertinentes de serem feitas em um estudo sobre este tema e quais não são pertinentes; a forma como ele classifica diferentes paisagens e organiza essa classificação em um painel é um indicador para os alunos de como pode ser planejada uma classificação.
         É importante, assim, que o professor atue como "estudante" de Geografia e de História, compartilhando com os alunos suas idéias, dúvidas, explicações e formas de pesquisar. Também os seus medos, preconceitos e idéias equivocadas podem ser divididos com os alunos de forma espontânea, mas intencional. Isto indica ao aluno que não é apenas ele que erra, tem idéias equivocadas ou ainda medos e preconceitos.
Conclusão
         O trabalho com a História e a Geografia desde as séries iniciais envolve conteúdos e procedimentos específicos de cada uma destas áreas. Na seleção e organização dos conteúdos, o professor deve considerar o fato de não haver necessidade de se seguir uma escala espaço temporal - os chamados círculos concêntricos -, afinal seus alunos podem manifestar interesse e compreender temas os mais variados, abrangendo épocas passadas e lugares distantes. Outro aspecto a ser ressaltado é a possibilidade de se abordar estas áreas de forma integrada, por meio de projetos. Neste contexto, é interessante também incorporar temas socialmente relevantes (temas transversais, conforme definição dos PCN) e considerar a interface com a Língua Portuguesa. O professor deverá considerar que a aprendizagem da História e da Geografia envolve procedimentos relacionados à formação do estudante e que ele próprio também atua como um estudante e serve como modelo aos seus alunos.




Nenhum comentário:

Postar um comentário